HSSuffer: Hidradenitis Suppurativa, Ictiose, Auto-Hemoterapia, Disordens Cutâneas, Doenças Raras e Auto-Imunes

Hidosadenite Supurativa, Ictiose, Doenças Raras, Auto-Hemoterapia e tratamentos na Medicina Alternativa abordando aspectos Psicológicos e sequelas que envolvem seus portadores

Arquivo para parecer

CFM E SBHH NÃO TÊM ARGUMENTOS CONTRA AUTO-HEMOTERAPIA

— Walter Medeiros* – waltermedeiros@supercabo.com.br

A divulgação de extensa matéria sobre auto-hemoterapia no Domingo Espetacular da TV Record de 30.01.2011, pode abrir o caminho para mudança na postura do Conselho Federal de Medicina e Ministério da Saúde. É o que defendem médicos que assistiram à matéria e acreditam que o momento exige uma decisão sobre a pesquisa do assunto no âmbito da medicina. O programa, através da reportagem de Tatiana Chiari, apresentou vários casos de pessoas que se cuidam e obtém sucesso com auto-hemoterapia, enquanto os médicos que discordaram do uso não apresentaram qualquer justificativa nem comprovação do que alegaram.

Para começar, o Secretário-Geral do Conselho Federal de Medicina – CFM, Henrique Batista afirmou que “Como ainda não é uma prática suficientemente reconhecida, ela está no campo ainda das experiências”. Ou seja: se ainda não é reconhecida, pode vir a ser. Diz ainda que “Não pode ser, portanto, divulgada e usada e o médico que assim o fizer, estará cometendo uma infração ética”. Trata-se de mais uma manifestação autoritária daquele órgão que devia estimular o desenvolvimento da ciência e das descobertas, para possibilitar a cura de doenças. Ao contrario, faz um discurso totalmente proibitivo e cerceador da liberdade de expressão e de informação de quem quer trocar experiências nas práticas médicas.

EQUÍVOCO

Com essa postura do CFM, como explicar o fato de ter sido permitido o uso da auto-hemoterapia durante 150 anos, até 2007, sem que tivesse sido registrado nenhum problema dela decorrente? Por tudo isto, o Dr. João Veiga, ex-secretário da saúde de Olinda afirmou na reportagem: “Eu acho que o Conselho Federal de Medicina tomou uma decisão equivocada. Ele não tinha esse direito de fazer isso”. Opinião, aliás, há muito difundida pelo médico carioca Alex Botsaris, segundo a qual “Não é verdade que a auto-hemoterapia não tenha comprovação científica”.

A matéria explica que auto-hemoterapia é um tratamento feito com o próprio sangue, retirado da veia e injetado no músculo imediatamente. Os adeptos da técnica afirmam que isso aumenta a imunidade do organismo. Exibiu parte do vídeo onde o Dr. Luiz Moura, que foi absolvido em dois processos nos conselhos de medicina por abordar a técnica, onde ele mostra que a auto-hemoterapia estimula o sistema imunológico. Mostrou também o surgimento da técnica na França e o trabalho de um médico brasileiro feito em 1940, durante a Segunda Guerra Mundial, onde a auto-hemoterapia foi muito utilizada.

ESTÍMULO

Por outro lado, o médico da Sociedade Brasileira de Hematologia Dante Langhi Júnior disse que discorda da auto-hemoterapia, mas não cita nenhum argumento qualificado para basear sua opinião. Deixa claro que é desinformado sobre os trabalhos que abordam a auto-hemoterapia ou faz questão de nada citar a respeito. Diz o médico da SBHH que “Se você injetar qualquer coisa no músculo, existe um processo inflamatório; esse processo inflamatório é local, isso não é sistêmico. Não existe nenhum mecanismo de desencadear uma resposta imunológica sistêmica, com a aplicação desse sangue no músculo”. Basta dar uma olhada no DVD do Dr. Luiz Moura ou ler os trabalhos científicos já publicados a respeito, para concluir quanto errada está a afirmação do hematoligista.

Mas o hematologista vai mais longe e diz que “além de não obter os efeitos desejados correm outros riscos” dizendo que a pessoa que retira o sangue coloca a mão suja com a luva “que não serve prá nada”. Como ele pode afirmar que não obtém efeitos desejados? Que pesquisas ele tem ou fez a respeito? Como ele pode dizer que aquela luva não serve prá nada? Ele esteve lá? Examinou ou mandou examinar algum nível de contaminação? Basta atentar para o seu tom de voz e aspereza com que fala, para perceber que ele age de forma raivosa contra a auto-hemoterapia. Não seria este o papel de um representante de uma entidade tão importante para a saúde dos brasileiros. Ele esquece, inclusive, que aquele procedimento de injetar a agulha na veia é feito milhões de vezes a cada dia pelo país e em muitos casos sem todos os cuidados. Ele afirma mais ainda que o aplicador estava “Levanto contaminação que ele tinha na mão diretamente para a circulação desse indivíduo”. Como, através do vídeo que lhe apresentaram ele atestou contaminação? De onde ele tirou isso? É assim que querem enfrentar a auto-hemoterapia?

ARROGÂNCIA

O mesmo hematologista considera a auto-hemoterapia como “Procedimento que não tem nenhuma base científica e tem riscos importantes que devem ser considerados”. Trata-se de uma afirmação arrogante, pois existe, sim, comprovação e quanto aos riscos, caberia a ele citar e comprovar. Mas nem cita nem comprova. Apenas generaliza, como se o simples fato de representar uma entidade importante fosse capaz de mudar a realidade dos fatos. Por isto, o Dr. João Veiga fez mais uma referência, segundo a qual é possível que a auto-hemoterapia não seja capaz de curar tudo, “mas não pode dizer que não serve prá nada”. Aliás, como observou a reportagem, a técnica não tem contra-indicação.

A explicação do Secretário-Geral do CFM de que o resultado da auto-hemoterapia seria efeito placebo, dramático, emocional, que deve ser considerado, mostra que para aquele órgão, pelo menos até agora só tem servido a opinião de quem discorda da técnica. Do outro lado, mesmo milhões de provas, exames, depoimentos, fotografias, imagens, nada é levado em consideração. É importante lembrar que a auto-hemoterapia é aplicada há muito tempo em animais, com pleno êxito. Será que o efeito placebo pode ser empregado também em bois, vacas, cachorros, gatos e outros?

LINKS

A matéria do DOMINGO ESPETACULAR destacou o trabalho da enfermeira Ida Zaslavski, que tem até artigo no site do Supremo Tribunal Federal sobre o assunto e o site “AUTO-HEMOTERAPIA, Meu sangue me cura”( http://www.rnsites.com.br/auto-hemoterapia.htm ), que já foi visitado por mais de 83 mil pessoas. E com muita firmeza foram apresentados exemplos que desmancham todos os argumentos vazios daqueles que combatem a auto-hemoterapia. A usuária Camila Lisboa, de Pariqueraçu, Dona Nair, Júnior, o pescador, e o maquiador Alex, que foi a vários dermatologistas e alergologistas e teve de tomar corticóide sem resultado, mas curou seu mal com a auto-hemoterapia.

A reportagem do DOMINGO ESPETACULAR da TV RECORD pode ser assistida através do link http://noticias.r7.com/…/043446133201162851b87de96aa91c6d.h… . Pode ser vista também no Youtube, pelo endereço http://www.youtube.com/watch?v=M1jrfj1x7OY .
*Jornalista

Jornal Mural: Médico diz que Parecer do CFM é “prepotência travestida de ciência”.

como-fazer-autohemoterapia

A liberação da receita da auto-hemoterapia pelos médicos brasileiros, com a revogação da Nota Técnica da Anvisa e nova mudança no Parecer do Conselho Federal de Medicina – CFM, foi defendida mais uma vez pelo médico Francisco das Chagas Rodrigues, Vice-Chefe do Departamento de Medicina Clínica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Desde a época da publicação do Parecer do CFM sobre o assunto, Dr. Rodrigues afirma que aquele documento “é uma agressão à arte de curar”. O médico potiguar afirma que “O que importa é a disposição ética de cumprir os ensinamentos hipocráticos, de procurar cuidar do enfermo com o melhor do nosso tirocínio, evitando lesar o paciente, por ação ou omissão”. Acrescenta: “espero que a conjuntura se torne cada vez mais favorável à destruição da prepotência travestida de ciência.” E conclui: “É isso que penso e defendo, mesmo porque considero a medicina como uma arte que pode e deve usar a ciência, mas não ir de reboque a uma verdade científica que amanhã pode ser desmentida pela realidade, como temos visto em tantos momentos na história”.

Pesquisa
A declaração do Dr. Rodrigues foi dada no momento em que ele tomou conhecimento de que a Senador Ana Amélia está interessada em informar-se a respeito da auto-hemoterapia, em razão do trabalho que vem realizado para tornar mais céleres as pesquisas científicas. A Senadora Ana Amélia determinou à sua assessoria que obtivesse informações a respeito do assunto. A coleta de informações é importante, pois trata-se de um procedimento que mexe com a saúde da população e envolve órgãos como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, o Conselho Federal de Medicina – CFM, a Sociedade Brasileira de Hematologia e Hemoterapia – SBHH e o Conselho Federal de Enfermagem – COFEN.

Inicialmente é preciso observar que para compreender a questão e situação da auto-hemoterapia no Brasil atual, é preciso admitir que aqueles órgãos não são perfeitos, infalíveis ou completamente corretos e imparciais em suas afirmações e decisões. Desta forma será dada chance de analisar o assunto tecnicamente e não diante dos interesses de cúpulas que em certas circunstâncias manifestam-se de maneira tendenciosa.

Obstáculos
Há mais de dez anos, por conta da popularização do uso da auto-hemoterapia, em vista da divulgação da entrevista do Dr. Luiz Moura, forjaram um jeito de criar obstáculos à utilização da técnica, com decisões distorcidas e discutíveis. Episódios que seriam dignos de investigação, caso os interesses da população fossem levados verdadeiramente a sério. Basta citar que a Anvisa proibiu de forma enviesada e estapafúrdia o uso da auto-hemoterapia através de Nota Técnica que não teria esse poder, gerando uma situação de indefesa para a população e de autoritarismo para o órgão governamental. Depois de proibir o uso da técnica, com argumentos e citações disparatadas, o referido órgão resolveu consultar o CFM – numa clara inversão da ordem – se seria “reconhecida” uma técnica que já era usada havia quase 180 anos.

O CFM, por sua vez, emitiu um parecer tendencioso, incompleto e falho proibindo médicos de usarem a técnica, mas logo foi forçado a voltar atrás permitindo uma parte da auto-hemoterapia através do Tampão Sanguíneo Peridural – TSP, atendendo reclamação dos anestesistas; fazendo vistas grossas de outra parte, como o Plasma Rico em Plaquetas, utilizado na recuperação rápida de atletas; permitindo tacitamente o uso da técnica na forma de ozonioterapia; e mantendo a proibição em mais outra parte.

Verdade
Forte exemplo dessa realidade é a notícia dada pelo Conselho Federal de Medicina – CFM em seu portal, no final de fevereiro deste ano, 2015, reafirmando que a auto-hemoterapia não teria eficácia comprovada. Em seguida, veiculou peça publicitária no facebook com essa mesma afirmação.

Resultado: cerca de 1.000 manifestações, entre compartilhamentos, comentários e curtidas, mostram que 99% das pessoas que opinaram obtiveram bons resultados com o uso da auto-hemoterapia. Para confirmar esse percentual, basta acessar o referido endereço. Conforme já mostramos, ocorre que se trata de uma técnica que não requer gastos com hospital, laboratório, medicamento, etc e como não é lucrativa vai de encontro aos interesses econômicos da indústria da doença.

Todas essas contradições precisam ser abordadas, para que seja fácil, prática e clara a compreensão do problema. Diante desse quadro, a expectativa dos usuários, beneficiários e defensores da auto-hemoterapia é de que sejam realizadas pesquisas sobre a eficácia da auto-hemoterapia na prevenção e combate a doenças; que sejam promovidas audiências públicas sobre o tema; revogada a Nota Técnica da Anvisa que trata da auto-hemoterapia; e recomendado que o CFM, SBHH e COFEN façam um ajuste de conduta, por vir tratando desse assunto de forma tão contrária aos interesses da sociedade.

http://www.rnsites.com.br/

fonte:
http://poetagerson-jornalmural.blogspot.com.br/2015/05/medico-diz-que-parecer-do-cfm-e.html

%d blogueiros gostam disto: