HSSuffer: Hidradenitis Suppurativa, Ictiose, Auto-Hemoterapia, Disordens Cutâneas, Doenças Raras e Auto-Imunes

Hidosadenite Supurativa, Ictiose, Doenças Raras, Auto-Hemoterapia e tratamentos na Medicina Alternativa abordando aspectos Psicológicos e sequelas que envolvem seus portadores

Arquivo para psicologia

A HS fez surgir a “A ESCADA E A MOÇA”

A sensibilidade de um grande amigo, exímio observador em toda a plenitude de sua experiência de vida, da qual não refuto em dizer orgulhosamente que muito tem contribuído para a minha evolução e o meu progresso em todos os aspectos, foi o gatilho que me motivou a expor esta experiência no intuito de transformar o que por vezes, chamei de maldição em uma bênção!

Quem bem já adquiriu através de tantas mal traçadas linhas que aqui mesmo já transcorri sabe das dores, dos constrangimentos, do desconforto, das dificuldades que os portadores desta enfermidade (HS) causa. Também já comentei em outros posts sobre como a enfermidade física nos afeta psicologicamente, não obstante esteja implícito que somos humanos de carne e osso como todos os demais!

Seria uma retórica ficar citando que um soldado que acabou de chegar de uma guerra não apresente sequelas do trauma experimentado!!! E uma das sequelas que ficaram em mim, chama-se, psiquiatricamente falando, de Síndrome do Isolamento.

Razões? Nossa! São incontáveis, creia! Mas o fato é que para não deixar-me cair em depressão, nos meus momentos de isolamento tentava lutar contra este sentimento fazendo algo que me agradasse e tirar fotos em frente ao espelho da escada todas as vezes ao me vestir era algo reconfortante, inclusive era uma forma de melhorar minha auto-estima. Aquilo virou um hábito e devido ao meu confinamento, era sempre no mesmo lugar.

Este meu amigo, Sr. Walter Medeiros, um exímio observador e escritor, então num certo e radiante dia, me escreveu um poema em que estava fotografado em vocábulos o retrato da minha experiência diária, mas de uma forma e com olhos que eu nunca havia percebido!

O que era uma maldição de repente tornou-se uma benção pela minha opção de agir diferente, por mais louco que pudesse parecer. Meu calabouço tornou-se minha liberdade! Razão pela qual me inspirei a tentar transformar o mal em bem!

Se você, como eu, também sofre com este tipo de descontrole, saiba que sempre existe um meio de transformar a maldição numa benção. Tudo depende de como você direciona sua mente e consequentemente suas ações.
Tenha sempre em mente que “o pensamento toma forma! “

Talvez somente outros portadores entendam a profundidade do que tento expressar agora. Mas creiam que se eu consegui encontrar um meio de conviver com ela em melhores condições de vida, você também pode! Que Deus sempre nos acompanhe e nunca nos desampare! Bençãos a todos!

P.S.: Meus sinceros e eternos agradecimentos ao Sr. Walter Medeiros pela sincera motivação! Que Deus o abençoe infinitamente.

Acho que tô de recuperação!

Pra que tá me servindo esse tempo? Contando os segundos imaginários retroativos porque no fundo você também ainda não sabe responder: Como? Se? Onde é que fica o primeiro degrau mesmo?
É engraçado a condição humana tentando se superar! Quando você passa certo tempo, circunstancialmente, paralizado é difícil voltar aos movimentos instantaneamente. É como se houvesse uma acomodação à última condição vitimada; ou como se você precisasse do seu tempo como que quando se vai o efeito de uma anestesia cirúrgica…
Sabe aquele frio do Polo Norte? Quando você realmente acha e jura que visitou Papai Noel? Mais ou menos assim!
Ás vezes lhe faz parar e lhe coloca num auditório, como num cinema e você pode ver claramente um monte de flashes que você não se lembrava mais; ou porque eram pouco importantes até então; ou, sei lá! Mas agora eles haviam se tornado tão pesados e tudo por causa do jeito que eu passei a enxergar as coisas na minha vida.
Sabe, numa conversa outro dia com um amigo me chamou atenção para um fato que tem fundamento e tem tido repercursão em minha comunicação em casa, inclusive! Coisa cotidiana mesmo. Só que o jeito que ele colocou me machucou a princípio! Daí eu fui dá uma revisada nos meus conceitos e vi que ele tinha razão! Tentei então corrigir aquilo que eu vi como “MEU” problema e assumir que sabendo eu posso melhorar.

“ás vezes você acha que tem todas as respostas, daí vem a vida e muda todas as perguntas.”

Particularmente, acho que é o que está acontecendo comigo agora! Alguns fatos simplesmente caem de para-quedas na sua vida, sem que você tivesse pedido por eles, mas que te imobilizam como num “mata-leão” e sem escolha você fica “stuck” para todos os seus planos e faz você recomeçar a “pensar” tudo de novo!
O que eu quero? Quem sou eu? kkkkkk (essa é BOA!) De onde eu venho e para onde eu vou… (essa eu realmente queria saber!)
Por que será que ás vezes é preciso alguém gritar na sua cara o que você tá careca de saber? Qual é o problema das sinapses não quererem funcionar com o auto-conhecimento? Algum problema amoroso de algum capítulo que eu perdi?
Alguém se lembra dos velhos “shots” que os dançarinos do Cancun davam e depois chacoalhavam sua cabeça com os olhos vendados depois de ter batido com uma colher de pau numa panela um zilhão de vezes no pé do seu ouvido e quando lhe soltavam volcê não sabia nem pra onde olhar? Pois é! Minha vida tá mais ou menos assim! Só que parece que eu tô tomando uns 10 shots por hora! Alguns de vocês devem tá pensando: – muito massa pô! Que onda! kkkkkk
Bem assim… Como um amigo meu também descreveu mesmo, parece que minha vida anda numa roda gigante; dando círculos afer círculos, mas eu estava sem prestar atenção na vista lá de cima por medo da altura; então nunca tinha olhado pra baixo, ou pros lados… Quanto ao fato de viver em círculos… bem, já que tá tudo bem parecido com um parque de diversões mesmo, quem sabe eu não encontre um outro “brinquedo” no meu caminho que seja mais interessante!
Temos o poder de transformar o amanhã, não temos? Eu acho que vou morrer uma idealista utópica e romântica! Até que o título não soa tão mal assim… Ainda bem que acalma saber que cada caso é um caso. Li num blog o título: “HS tem Cura.” Daí pensei: – Ainda bem que existe para alguns! Mas quando escrevi: “Success is not final. Failure is not fatal. It is the courage to continue that counts.” ( O sucesso não é o final. A falha não é fatal. É a coragem de continuar que conta.) Eu não tava brincando não. O tempo tem passado numa velocidade que não calculo mais, mas também já perdi as contas de quantos milagres tenho vivenciado nos últimos anos lidando e aprendendo com algo que conscientemente não escolhi…
A lei diz: “você vai viver a lição quantas vezes forem necessárias até que aprenda a lição.”
Vai ver que é esse meu problema de hoje! Eu sabia que devia ter continuado CFD como antigamente! kkkk =)
Acho que tô de recuperação! =)

%d blogueiros gostam disto: