HSSuffer: Hidradenitis Suppurativa, Ictiose, Auto-Hemoterapia, Disordens Cutâneas, Doenças Raras e Auto-Imunes

Hidosadenite Supurativa, Ictiose, Doenças Raras, Auto-Hemoterapia e tratamentos na Medicina Alternativa abordando aspectos Psicológicos e sequelas que envolvem seus portadores

Auto-Hemoterapia e Estado da Arte (continuação) Plasmolifting

auto-hemo

O que é tecnologia Plasmolifting?

Um trabalho pioneiro de cientistas russos que é reconhecido e apreciado por muitos profissionais de saúde;
técnica inovadora de injecção de plasma autólogo em tecidos humanos; forma natural e segura para aumentar a regeneração dos tecidos. Cientificamente método de tratamento e prevenção de muitas doenças comprovada. É amplamente utilizado em medicina estética, tricologia, traumatologia, ortopedia, urologia, odontologia, ginecologia e outros ramos da medicina.

Plasmolifting tecnologia é:

Natural: plasma autólogo é obtido a partir próprio sangue do paciente e não entrar em contacto com o ambiente externo, excluindo assim a possibilidade de infecção de ambos os pacientes e os profissionais de saúde;
Seguro: o plasma obtido é livre de produtos químicos estranhos, de modo que o risco de rejeição, reacções alérgicas e efeitos colaterais é minimizada.
Eficaz: o resultado terapêutico desejado pode ser alcançado apenas após alguns primeiros tratamentos. O período de recuperação após a fere e cirurgia é reduzido pela metade, o período de remissão clínica é prolongada;
Versátil: plasma autólogo é utilizado em muitas áreas da medicina, tanto isoladamente como em combinação com outros tratamentos.
Relativamente indolor: injeções de plasma autólogo são relativamente indolor e não requer tempo de recuperação muito.

http://plasmolifting.net/plasmolifting
fonte Marcelo Fetha
https://www.facebook.com/autohemoterapiacasosdesucesso

Auto-Hemoterapia e Estado da Arte

revista-autohemo

As experiências com a auto-hemoterapia na forma de Plasma Rico em Plaquetas – PRP apresenta bons resultados na literatura, que podem ser incluídos como terapêuticos de forma segura. Esta é a conclusão de trabalho intitulado “PLASMA RICO EM PLAQUETAS: ESTADO DA ARTE”, publicado na Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (Brazilian Journal of Hematology and Hemotherapy), da Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH).

A publicação (821) está na página S295, do suplemento que contém os trabalhos do CONGRESSO BRASILEIRO DE HEMATOLOGIA, HEMOTERAPIA E TERAPIA CELULAR – HEMO 2016, que está sendo realizado desde ontem (10.11) e vai até o dia 13 de novembro de 2016, em Florianópolis, SC, Brazil. PLASMA RICO EM PLAQUETAS: ESTADO DA ARTE é de autoria de Vanni ISR, Risso MA, Simões RP, Pereira MC, Bovolato ALC, Ferreira RR, Sandrim VC, Deffune E Universidade Estadual Paulista (UNESP), São Paulo, SP, Brasil.

O trabalho mostra que “Muitas especialidades médicas têm usado o plasma rico em plaquetas (PRP) em diferentes modalidades terapêuticas. Isso ocorre em especial nas áreas de odontologia, ortopedia e cirurgia plástica. O Conselho Federal de Medicina, em sua resolução nº 2.128/2015, considera o PRP como procedimento experimental, só pode ser usado em experimentação clínica dentro dos protocolos do sistema CEP/Conep. Já o Conselho Federal de Odontologia publicou uma resolução que autoriza o uso do PRP autólogo e do plasma rico em fibrina (PRF) por profissional comprovadamente habilitado. A Anvisa informa que a produção e o uso do PRP no âmbito da hemoterapia devem seguir o preconizado pela legislação vigente para a área de sangue (RDC nº 57/2010).”.

Segundo o texto, “No entanto, essa informação também comete o equívoco de considerar sinônimos PRP e gel de plaquetas. Diante dessa dificuldade de nomenclatura e do surgimento de empresas e protocolos terapêuticos no país, com resultados conflitantes e metodologia pouco padronizada, identificou-se uma janela de oportunidade para avaliar essas diferenças na análise dos artigos publicados em base de dados médicos. Foram avaliados os artigos disponíveis no PubMed a partir de 2012 como free article/open access. As palavras-chave usadas foram: platelet-rich plasma (PRP), platelet ly sate (PL) e platelet growth factors (PGF). Com PRP entre 2012 e maio de 2016 foram publicados 2.502 artigos, com PL 145 e com PGF 6.505. Com uso específico na espécie humana foram respectivamente 1.338, 105 e 4.436.”

Outro dado surpreendente do trabalho: “Portanto, nos últimos cinco anos foram publicados 5.879 artigos sobre o tema, especificamente para humanos; 15% dos artigos estavam na condição de free article/open access. Desses, 29 (14,35%) para PRP, 14 (50%) para PL e sete (41,17%) em PGF, total de 50 artigos. Os artigos publicados em revista de maior impacto são aqueles de PL, a publicação na Cell (FI = 32,24) foi a mais representativa. Os países que mais publicam são: Itália, Estados Unidos e Irã. Em 40 publicações (80%) os resultados são positivos e evidenciam tanto o PRP, como o PL e o PGF como indutores do remodelamento tecidual.”

“Dos artigos analisados, 10 (20%) foram considerados inconclusivos pelos autores. Desses, em quatro (40%) a terminologia usada foi PRP e a descrição técnica correta. Para outros quatro identificamos que o autor usou o termo PRP, mas tecnicamente aplicou hormônio derivado de plaquetas (HDP) e dois usaram PL mas produziam HDP. Concluímos que há a necessidade de adequação da terminologia e dos procedimentos que envolvem PRP sob a responsabilidade de profissionais da hemoterapia, tendo em vista que os três produtos apresentam bons resultados na literatura e podem ser incluídos como terapêuticos de forma segura.” – conclui.

fonte:
— Walter Medeiros – http://www.rnsites.com.br/imunoterapia.htm

Autohemoterapia Casos de Sucesso

Autohemoterapia Casos de Sucesso fez um comentário sobre o grupo de Maurecir Mafra “Auto-hemoterapia” em AMIGOS DA CURA
————
Médica dá seu testemunho da auto-hemoterapia em casos de esclerodermia

Ana Paula Passos (https://www.facebook.com/ana.p.passos.33) compartilhou a publicação (https://www.facebook.com/jpselina.passos/posts/475499405957522) de Joselina Do Nascimento Passos (https://www.facebook.com/jpselina.passos).
26 de outubro às 17:58 (https://www.facebook.com/groups/autohemoterapiatrataecura/permalink/1082038645248386/)
(https://www.facebook.com/jpselina.passos/posts/475499405957522)Joselina Do Nascimento Passos (https://www.facebook.com/jpselina.passos?fref=nf)2 de outubro de 2015 (https://www.facebook.com/jpselina.passos/posts/475499405957522)
Estou entrando na área da internet. Relutei muito e acabei aceitando. Meu nome é Joselina do Nascimento Passos, nascida em Salvador, Bahia em 13 de maio de 1941.

Tive uma infância feliz em companhia dos meus pais, pessoas simples e muito digna. Ele motorista e ela dona de casa e onze irmãos. Tivemos uma vida simples de muita luta porém com muita dignidade onde os meus pais transmitiam para nós o valor da honestidade e bom caráter. Fiz o primário e secundário em escola pública e em 1962 passei no vestibular de medicina onde formei em 1968, data que culminou com meu casamento com o colega de faculdade Elias Moutinho dos Passos. Excelente companheiro, amigo que estamos juntos há 47 anos. Desta união tivemos dois filhos maravilhosos.

Em 1969 fui para Ribeirão Preto fazer pós-graduação em clínica médica e doenças transmissíveis. Em 1971 fomos convidados para a faculdade de medicina de Londrina onde meu marido que já era professor da USP de Ribeirão Preto foi contratado como professor titular de patologia e eu como professora assistente de doenças transmissíveis. Em 1975 fui promovida a professora adjunta …

……….

TEXTO COMPLETO EM:
http://amigosdacura.ning.com/profiles/
————

Para ver o novo comentário, visite:
http://amigosdacura.ning.com/group/

%d blogueiros gostam disto: